ESTUDO DE CASO

10 minutos para ler

ESTUDO DE CASO – RESTAURAÇÃO FUNCIONAL, ECONÔMICA E INDIVIDUAL DEPOIS DA PERDA DA DIMENSÃO VERTICAL

Introdução

Atualmente, a estética não é só vista apenas como uma solução cosmética, para aparências, mas também como uma restauração da funcionalidade além da manutenção da longevidade dos dentes, sabemos que as restaurações estéticas são importantes para os nossos pacientes e nesse artigo será mostrado a você como elas são possíveis, mesmo você trabalhando de maneira econômica, sem mudanças no objetivo da restauração.

Situação

A situação proposta indica uma insuficiência completa na boca do paciente, provocada durante anos provavelmente por movimentos bruscos e bruxismo, degradando a dimensão vertical, contudo, não se sabe ao certo a causa real dos problemas, que podem ter ocorrido devido a uma “ponte” mal instalada na arcada inferior ou a perda de alguma função mastigatória. O resultado é que existiu uma compressão das funções mastigatórias com forte abrasão e desgastes, gerando a degradação na boca do paciente.

As figuras mostram os problemas deste estudo de caso; abrasões extremas, coroas e pontes insuficientes nas laterais e frontais, mas com isso toda desarmonia da função labial, linha de sorriso e linha zenith.

Planejamento

A situação que propomos neste estudo de caso indica uma insuficiência completa na boca do paciente para que pudesse reverter completamente a perda da dentição e da degradação da dimensão vertical, foi acordado com o paciente uma reabilitação completa, renovando completamente as funções da boca.

Planejamento Clínico

Primeiramente, após a análise funcional, realizaram no paciente um tratamento de placas, afim de relaxar os seus movimentos e permitir o planejamento adequado do caso. Nesta mesma seção, com o objetivo de levantar 3mm a dimensão vertical, o paciente recebeu um provisório, moldado a partir de um enceramento (mock-up). Em poucas semanas foi possível começar o tratamento definitivo.

A restauração estética foi realizada com dissilicato de lítio maquiado (monolítico) nos posteriores e com dissilicato de lítio estratificado (parcialmente monolítico) nos anteriores. As imagens mostram as estruturas prontas para a individualização do trabalho.

Execução do trabalho definitivo:

Escolher o material utilizado nesse caso foi definido a partir de critérios como: correção da função, qualidade estética, longevidade, durabilidade da restauração e principalmente com um viés econômico.

O Dissilicato de lítio tem propriedades que atendem os critérios, principalmente na área de longevidade e durabilidade. Utilizado em conjunto com a cimentação adesiva, garante a união perfeita com e uma adaptação ótica compatível com os remanescentes. Então, a técnica escolhida neste estudo de caso foi a maquiagem para os elementos posteriores e a estratificação nos anteriores.

Nas imagens podemos ver os dentes anteriores com redução dos copings que ira receber uma estratificação estética. Mesmo a ponte 41-32 foi feita em dissilicato e preparado para estratificar. Muito importante para o sucesso: os espaços compridos interproximais entre os dentes.

Com a mufla “Trixpress”, executou este trabalho com facilidade, pois (pelo fabricante) podem ser prensados até 5 pastilhas dentro da mufla. A vantagem principal de usar este sistema é poder prensar ao mesmo tempo pastilhas de cores e transparências diferentes. O autor acha isso um ponto muito vantajoso em comparação com CAD/CAM, contudo, no detalhe podemos ver as cores totalmente anatômicas nos posteriores, prontas para maquiar. Nos dentes anteriores prontas para estratificar

Nas imagens podemos ver os dentes anteriores com redução dos copings que ira receber uma com os stains da InSync é possível em 2 passos uma maquiagem das coroas anatômicas.

As estruturas estarão prontas para o trabalho de maquiagem e estratificação, após o jateamento com óxido de alumínio 110 mícrons e 1,2 bar de pressão. A maquiagem das coroas foi feita com stains InSync (Jensen Dental).

A grande vantagem desse sistema (InSync) é característica multifuncional do mesmo, o material é indicado tanto para dissilicato de lítio, quanto para zircônia, até mesmo um trabalho em cima de lâmina refratária é possível, para estratificar em cima de titânio é necessário um opaco, os stains InSync são desenvolvidos para serem usados em todo material, em comparação com os demais stains, a linha é bastante fluorescente e fáceis de usar devido a certa forma em pasta, os shades usados em uma primeira etapa, disponíveis em escala Vita (A-D), eles são ideais para estabilizar e ajustar a intensidade de cor (matizes), no próximo passo, a caracterização deve ser iniciada de maneira individual, com modificações nas fissuras ou branqueamento das oclusais, entre outras possibilidade.

Para qualquer caso de maquiagem é possível encontrar a cor necessária, então a partir da segunda queima, também pode-se começar a utilizar massas cerâmicas para caracterização ou ajustes de pontos de contato, a única mudança necessária é a utilização do vácuo, da mesma forma que uma queima de dentina, para a cerâmica realmente ser sinterizada de maneira correta. O tempo de manutenção pode ser bem curto, inclusive pode-se utilizar o glaze em conjunto.

Portanto, com apenas duas queimas, é possível maquiar coroas anatômicas monolíticas e realizar as correções necessárias e posteriormente realizar o polimento manual, se necessário.

Claro que você pode ajustar a quantidade de queima ao método de trabalho escolhido, os stains InSync foram desenvolvidos para suportar diversas queimas sem perder estabilidade e valor, entretanto, novamente nós vamos pensar em economia, sendo possível realizar técnicas simples na execução do trabalho de maneira a atingir um preço final justo.

Primeiramente, vamos começar com a estrutura, contudo, vamos realizar de maneira parcialmente anatômica, a estabilidade do trabalho é garantida, além de você minimizar o trabalho de estratificação e possibilitar a redução do uso de massas cerâmicas, sem perder em nenhum momento a qualidade e estética do trabalho final, na área cervical foi usada uma dentina opaca levemente mais intensa, aplicada levemente, para você obter um fechamento mais harmônico com a gengiva (figura 19), na área central do dente, com objetivo de estabilizar e aumentar a claridade, uma dentina opaca mais clara foi usada (figuras 20), primeiramente a estratificação foi feita de maneira normal e posteriormente um instrumento de cut-back foi usado para realizar uma redução.

A redução possibilita a aplicação de massas para caracterização que bloqueiam a entrada de luz, com tais massas é possível permitir a entrada, bloquear, transmitir ou refletir a luz, mas, nesses casos são usadas dentinas opacas e/ou efeitos como cores de mamélos, em seguida, usando novamente um cut-back, é possível iniciar a aplicação dos incisais (figuras 24), essa etapa é necessária para alcançar um efeito de profundidade, usando massas incisais e translucentes, correspondentes ao limite da dentina com a incisal no dente natural, sem ter a necessidade de usar uma massa específica ou misturar diversas massas.

Em seguida, são acrescentados novamente massas incisais (figuras 26) com o preenchimento final sendo feito por uma massa opalescente, no formato do dente. Também podem ser criadas áreas translucidas nas bordas. Finalmente as coroas são retiradas para a realização da queima, então, é possível obter o famoso “efeito Halo”, aplicando um contorno de dentina nessa fase, então, caso algum ponto de contato precise ser corrigido, uma segunda queima será realizada utilizando apenas uma pequena quantidade de cerâmica. Porém, ao utilizar essa técnica em seu trabalho, raramente a segunda queima se mostrará necessária.

O acabamento é feito de maneira habitual, com brocas e polimento após a queima de glaze.

Estratificação individual e situação final:

• Áreas laterais cromatizadas suportadas; Áreas suportadas de efeitos clareados; Estratificação anatômica; Cut-back; Caracterização intrínseca; Segundo cut-back; Áreas de profundidade; Aplicação de incisal; Área opal e translucente.

Ao se reduzir a quantidade de massas utilizadas, as correções necessárias tornam-se mínimas, inclusive facilitando a queima de glaze.

As fotos com passagem de luz nos elementos finalizados mostram como a estratificação nos anteriores e a maquiagem nos posteriores se completam e não apresentam diferenças ópticas perceptíveis entre eles, então, o trabalho apresenta-se homogêneo, mesmo nas transições da estrutura parcialmente monolítica entre as massas estratificadas.

Também você deve considerar a transparência da luz sobre o aspecto da espessura no centro estético dos incisivos centrais, que realizou em 0,8mm, ainda assim a estratificação estética da estrutura do dissilicato de lítio foi possível, observe as imagens nos modelos, perceba claramente as sombras vindas do gesso, que posteriormente são eliminadas quando em combinação com as estruturas em cerâmica pura dos copings, por esse motivo é de extrema importância você escolher corretamente a cor a ser utilizada no coping.

A restauração final mostra o potencial estético elevado dos procedimentos. Somente o modelo de gesso impede uma transmissão natural da luz. No dente 31 a dinâmica de luz já é visível.
Estudo de caso – O trabalho com passagem de luz. Principalmente com estas espessuras mínimas de 0,8mm como nos dentes 11 e 21 se da uma transmissão natural da luz somente nos pilares naturais e no jogo da restauração e substrato dental.
Estudo de caso – Nas imagens de “blackground” do maxilar não há como ver transições entre material maquiado e material estratificado. Por labial apesar da redução do uso de cerâmica e espessuras finas todos os parâmetros estéticos foram preservados.

Todas as características de um dente natural foram copiadas, desde as caracterizações internas, áreas translucidas, áreas muito cromática, efeitos de transmissão da luz e áreas de profundidade, mesmo o formato e superfície de um dente natural foi copiado. Naturalmente, os aspectos funcionais são como um fator primordial nesse trabalho, contudo os trabalhos executados no modelo devem ser aprovados dentro da boca, entretanto, o paciente e a situação bucal são o verdadeiro parâmetro que vão indicar a você se o trabalho realizado foi bem realizado.

Estudo de caso – A textura natural e superfície são facilmente reconhecidas. Mesmo os aspectos funcionais estão balanceados.

Discussão:

Resumindo, neste estudo de caso concluímos que o caso será um sucesso se todo o esforço e resultado final estiverem com um equilíbrio entre estética, funcionalidade e aspectos econômicos do paciente. Neste caso, o paciente se mostrou bastante satisfeito. As fotos do caso finalizado indicam uma imagem harmônica e estética.

Estudo de caso – A restauração instalada praticamente não se diferencia de um dente natural, principalmente na área gengival.
Estudo de caso – As fotos finais mostram o relaxamento da estrutura facial do paciente, a harmonização da linha de sorriso e a linha labial e seu acerto geral do paciente em todo.

Você também pode gostar

Deixe um comentário